SANTO VIVO - ESTUDOS BÍBLICOS
Melquisedeque, Rei e Sacerdote

MELQUISEDEQUE, REI E SACERDOTE 


J. DIAS

MELQUISEDEQUE, seu nome é a combinação de duas palavras dos cananeus: melchi = rei, zadok = justiça (rei da justiça). Melquisedeque era rei de Salém, uma cidade de Canaã e este nome Salém significa “paz” na língua dos cananeus. O nome cananeu dessa cidade iria mais tarde fazer surgir a saudação hebraica Shalom e seu equivalente árabe, Salaam. Salém contribuiria com suas cinco letras para formar a última parte do nome Jerusalém, cujo nome significa “o fundamento da paz”. Porém, ainda mais interessante do que a cidade de Salém propriamente dita era o rei que reinava sobre ela, Melquisedeque.

Mas o que fazia um “Rei da Justiça” entre os cananeus, famosos por sua idolatria, sacrifício de crianças, homossexualismo legalizado e prostituição nos templos? Será que ele recebera um nome impróprio? Não. Segundo o autor de Gênesis, este rei atuava também como sacerdote do Deus Altíssimo (Gn 14.18). O título “altíssimo” era muitas vezes aplicado na antiguidade à divindade Cananéia mais importante. Eles estavam em Canaã, podemos supor então que Melquisedeque era um rei-sacerdote cananeu. Mas, Abraão ao identificar o “Deus Altíssimo” de Melquisedeque com o “Senhor” (Gn 14.22), deu testemunho do Deus único e verdadeiro, a quem Melquisedeque dizia ser servo.

 

O ENCONTRO DE MELQUISEDEQUE COM ABRÃO

Abraão voltava com seus homens de uma guerra que travara contra cinco reis comandados por Quedorlaomer, rei de Elão, para libertar seu sobrinho Ló que tinha sido levado cativo (Gn 14.14-16). Ao chegar ao Vale de Savé, lhe veio ao encontro Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo (El Elyon).

 

A atitude de Abraão para com Melquisedeque comprova que este rei era digno de honrarias. Melquisedeque lhe veio ao encontro com uma saudação de paz. Abençoou Abraão e lhe ofereceu pão e vinho. Tudo foi aceito por Abraão. O mais surpreendente, Abraão, lhe entregou o dízimo dos despojos da guerra vencida contra os cinco reis.

 

Embora o conceito de Melquisedeque acerca de Deus, talvez fosse precário, o modo de Abraão corresponder à benção dele parece mostrar o reconhecimento de que eles dois serviam ao mesmo Deus (Gn 14.18). Melquisedeque é posteriormente mencionado como um tipo de prefiguração de Cristo Jesus, nosso grande Sumo Sacerdote (Hb 4.14), cujo sacerdócio é segundo a ordem de Melquisedeque e não de Levi (Hb 7.11; Sl 110.4).

 

O pão e vinho oferecido a Abraão por Melquisedeque era uma refeição comum naquela época (Jz 19.19), não podendo ser relacionada à ordenança neotestamentária da Ceia do Senhor. Melquisedeque ofereceu o alimento e a bebida para demonstrar amizade e hospitalidade.

 

A HUMILDADE DE ABRAÃO

Abrão era o detentor das promessas de Deus. Era em Abrão que todas as famílias da terra seriam abençoadas. Era Abrão que seria uma benção. Tudo isso Deus havia dito à Abrão. Mas diz o texto de Gênesis 14.18-19 “E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo (El Elyon). E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo (El Elyon), o Possuidor dos céus e da terra”.

 

Qual seria a resposta de Abraão se ele fosse cheio de orgulho arrogância e altivez: “Um momento alteza! O nome correto para o Altíssimo é Yahweh e não El Elyon! Além disso, não posso aceitar uma benção oferecida sob esse nome cananeu El Elyon, visto que todo conceito cananeu deve estar tingido de noções pagãs como a idolatria. Além do mais, Javé me disse que Eu é que deverei ser uma benção e abençoar todas as famílias da terra, inclusive Vossa Majestade. Não está se achando presunçoso ao abençoar-me?”.

 

Mas não foi nada disso que aconteceu, a resposta de Abraão a benção de Melquisedeque foi lhe entregar os dízimos de tudo que havia tomado na guerra (Gn 14.20). Este ato de Abraão ao dar o dízimo a Melquisedeque deu lugar mais tarde a um extenso comentário do escritor da Epístola aos Hebreus, no Novo Testamento: “Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão” (Hb 7.4-5).

 

Diz também o texto de Hebreus, que Melquisedeque abençoou o que tinha as promessas: “Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior” (Hb 7.6.7).

 

A GRANDEZA DE MELQUISEDEQUE

O autor de Hebreus cita uma profecia do rei e salmista Davi. A profecia declara explicitamente que o Messias judeu, quando vier não servirá como membro do sacerdócio levítico inerentemente temporário, com sua linhagem restrita. Em vez disso será um sacerdote da “Ordem de Melquisedeque”, e cuja ordem não ficará restrita a qualquer linhagem particular. Davi diz que a filiação do Messias à “Ordem de Melquisedeque” foi um juramento divino. “Jurou o SENHOR, e não se arrependerá: tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (Sl 104.4).

 

Como podemos entender a afirmação bíblica de que Melquisedeque era espiritualmente superior ao pai Abraão? O que o fazia superior?

 

Segundo Don Richardson, autor do livro “O Fator Melquisedeque”, a resposta parece estar no que cada um deles representava na economia de Deus: "Melquisedeque representava a revelação geral de Deus para a humanidade; Abrão representava uma revelação especial de Deus à humanidade, baseada na aliança, conforme registrada na Bíblia. A revelação geral de Deus é superior a sua revelação especial de duas maneiras: ela é mais antiga e tem influenciado toda a humanidade (Sl 19). Assim era apropriado que Abraão, como representante de um tipo de revelação mais recente e menos universal, pagasse o dízimo de reconhecimento ao representante da revelação geral".

 

CONCLUSÃO

A presença de Melquisedeque servo do Deus Altíssimo, em Canaã, antes de Abraão, não diminuiu de forma alguma o destino especial dado por Deus a Abraão, nem lhe tirou o privilégio de ser um missionário de Javé. Não existe no texto bíblico a menor evidencia de algum tipo de ciúme ou inveja entre os dois. Ao oferecer a Abraão pão e vinho e este entregar a Melquisedeque o dízimo eles deram uma prova de que serviam ao mesmo Deus, não interessa o nome como cada um deles se referiam ao Todo-Poderoso, eles eram servos de El Elyon/Javé, e aliados na mesma causa, fazerem o povo conhecer o seu Deus.

 

Não podemos esquecer: Melquisedeque era um homem real, rei de uma cidade existente, não como alguns querem fazer crer que ele era uma aparição de Jesus. Ele era uma tipificação de Cristo, como foi José do Egito, Moisés e muitos outros.

 


www.santovivo.net

 

Fontes:

Dicionário Bíblico – Editora Didática Paulista

O Fator Melquisedeque, Don Richardson – Editora Vida Nova

Bíblia de Estudo NVI – Editora Vida

Bíblia de Estudo de Genebra - Editora Cultura Cristã

FALE CONOSCO/PERGUNTA BÍBLICA

 


 www.santovivo.net