SANTO VIVO - ESTUDOS BÍBLICOS
O Milênio, Um Período de Paz na Terra

O MILÊNIO - UM PERÍODO DE PAZ NA TERRA 


 REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES
O Milênio é um período de tempo que compreende o Reino de Cristo. Inicia-se com a Vinda de Jesus ao término da Grande Tribulação e finda na batalha de Gogue e Magogue, quando Cristo depois de vitorioso nessa batalha, entregar o Reino a Deus Pai. Durante o Milênio Satanás ficará preso no abismo: “Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos” (Ap 20.2). A prisão de Satanás prepara a terra para o reinado milenar de Cristo, que virá para a terra, como descrito em Apocalipse 19.15-16, no papel de REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.

O Senhor Jesus se assentará no trono de Davi, reinará sobre o restante dos judeus salvos e dos mártires que não ressuscitarão para o arrebatamento da Igreja (Ap 6.9-11). As nações da terra estarão sob o controle do Rei Jesus. Os santos ressuscitados para o arrebatamento da Igreja, juntamente com os que morreram durante a tribulação, reinarão com Cristo neste período: “... e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos” (Ap 20.4).

A DOUTRINA DO MILÊNIO
O Milênio é uma doutrina bíblica e um conceito teológico derivado de várias passagens, tais como: Salmos 2.6-9; Isaías 2.2-4; 11.6-9; 65.18-23; Jeremias 31.12-14; Ezequiel 34.25-29; 37.1-13; Daniel 2.35; Joel 2.21-27; Amós 9.13-15; Miquéias 4.1-7; Sofonias 3.9-20 e Apocalipse 20.

TEORIAS SOBRE O MILÊNIO
O Milênio é assunto de muita controvérsia entre os estudiosos da Bíblia, por isso existem três teorias sobre a relação de tempo entre o Milênio e a segunda vinda:

1-    PÓS-MILENARISMO: essa teoria ensina que Jesus voltará aqui somente depois do Milênio, portanto seu reino hoje é um reino espiritual no coração dos homens, e que o mundo será plenamente cristianizado, tendo como resultado um tempo de muita paz, chamado Milênio.

2-    AMILENISMO: segundo esta escola de intérpretes não haverá Milênio. Os amilenistas espiritualizam todas as referencias relativas ao reinado de Cristo e as aplicam ao seu reinado espiritual. As profecias do Antigo Testamento a respeito do reino de Cristo sobre o trono de Davi são igualmente aplicadas à Igreja. Todas as promessas feitas a Israel são cumpridas através de bênçãos sobre a Igreja, já que esta é a Israel espiritual.

3-    PRÉ-MILENARISMO: os pré-milenistas interpretam a Escritura literalmente, ou seja, Jesus vem para inaugurar o Milênio. As diferenças no método de interpretação da profecia levam a diferenças de teoria. Se tudo for simbólico em vez de considerado evento real, é possível fazer com que os símbolos signifiquem qualquer coisa que o intérprete deseje. Ao aceitar o livro de Apocalipse e as profecias do reino naturalmente, os pré-milenistas acreditam que na volta de Cristo Ele irá então, e somente estabelecer o seu reino de paz e justiça sobre a terra, em que Ele reinará juntamente com os remidos da era da Igreja sobre o remanescente salvo reunido de Israel e das nações gentias justas. O pré-milenismo não confunde Israel com a Igreja, nem a dispensação da Igreja com a era milenar.

OS PRE-MILENISTAS DISPENSACIONALISTAS CREEM:

1 - Nas dispensações ao longo da história de humanidade;

2 - Que as Escrituras devem ser interpretadas literalmente, a menos que a interpretação se torne absurda;

3 - Que as profecias do Antigo Testamento ainda não cumpridas se cumprirão;

4 - Que a volta de Jesus está dividida em duas etapas;

5 - Que as bodas do Cordeiro aconteceram no céu;

6 - Que haverá dois julgamentos, sendo um para os ímpios e outro para os salvos em épocas distintas;

7 - Que Jesus reinará literalmente aqui na terra, por mil anos;

8 - Que Satanás será preso no abismo na volta de Jesus;

9 - Que haverá duas ressurreições, sendo uma na primeira etapa no arrebatamento da Igreja e outra no fim da Grande Tribulação;

10 - Que a Besta e o falso Profeta serão lançados no Lago de Fogo e enxofre logo após a Grande Tribulação;

11 - Que a Tribulação é a septuagésima semana de Daniel;

12 - Que o trono de Davi será restaurado para sempre (no Milênio);

13 - Que Deus tratará com o povo de Israel durante a Grande Tribulação;

14 - Que Jesus está assentado a destra do pai, mas não para reinar, pois seu reino será literal aqui na terra;

15 - Que haverá salvação para Israel. 

OBJETIVOS DO REINO DE MIL ANOS
Deveria ser evidente que o Milênio é o tempo do cumprimento das bênçãos das alianças nacionais de Israel, quando Deus fará uma apresentação da autoridade absoluta do governo divino por meio do reinado do Messias, quando os homens vivos estarão sujeitos e serão testados pela autoridade do Rei. O Milênio é criado por Deus como o teste final da humanidade caída sob as circunstâncias mais ideais, cercada por toda a capacidade de obedecer ao governo do Rei, e que as fontes externas de tentação também serão retiradas. Será a última oportunidade para a humanidade de se manter fiel ao Senhor e não aceitar as tentações do Diabo.

Mas, Satanás ao ser solto do abismo, sairá arregimentando um poderoso exército, enganando as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como areia do mar (Ap 20.8). Esse povo mesmo depois de ter sido governado pelo Senhor por mil anos, ainda dará guarida a Satanás em seus corações, que fará uma última tentativa contra o Senhor e seu povo, mas serão todos derrotados.

OS PRINCIPAIS EVENTOS DO MILÊNIO
O Milênio será um tempo de restauração de todas as coisas, portanto é natural que vários eventos contribuam para que isso aconteça. São alguns deles:

A -   A prisão de Satanás: “E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem. E depois importa que seja solto por um pouco de tempo” (Ap 20.1-3);

B - O reino de Cristo é estabelecido na terra: “E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra” (Ap 5:9-10);

C - Período de paz em toda a Terra: “E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerrear” (Is 2.4);

D - Restauração final de Israel: “Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para tirá-los da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o SENHOR. Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” (Jr 31.31-34);

E - Será um reino de justiça e retidão universais: “Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, sendo rei, reinará e agirá sabiamente, e praticará o juízo e a justiça na terra” (Jr 23.5);

F - Será um tempo de alegria e felicidade: “E os resgatados do SENHOR voltarão; e virão a Sião com júbilo, e alegria eterna haverá sobre as suas cabeças; gozo e alegria alcançarão, e deles fugirá a tristeza e o gemido” (Is 35.10);

G - Haverá grande prosperidade material: “Porque haverá semente de prosperidade; a vide dará o seu fruto, e a terra dará a sua novidade, e os céus darão o seu orvalho; e farei que o restante deste povo herde tudo isto” (Zc 8.12);

H - Não haverá maldição sobre a terra: “Em lugar do espinheiro crescerá a faia, e em lugar da sarça crescerá a murta; o que será para o SENHOR por nome, e por sinal eterno, que nunca se apagará” (Is 55.3);

I - Ao ser removida a maldição os animais selvagens perderão a ferocidade: “O lobo e o cordeiro se apascentarão juntos, e o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o SENHOR” (Is 65.25).

JERUSALÉM E A PALESTINA NO MILÊNIO
Jerusalém - Podemos esclarecer uma série de fatos pelo estudo das profecias concernentes ao papel de Jerusalém na época do Milênio:

1 - Jerusalém se tornará o centro do mundo milenar (Is 2.2-4; Jr 31.6; Mq 4.1; Zc 2.10-11). Pelo fato de o mundo estar sob o domínio do Rei de Israel, o centro da Palestina se tornará o centro do mundo;

2 - Jerusalém será o centro do governo do Reino Milenar (Jr 3.17; 30.16,17; 31.6,23; Ez 43.5,6; Mq 4.7; Zc 8.2,3). A cidade que era a capital de Israel durante o governo de Davi se tornará o centro do governo mundial do Filho de Davi;

3 - A cidade será gloriosa, glorificando Jeová (Is 52.1-12; 60.14-21);

4 - A cidade será protegida pelo poder do Rei (Is 14.32; 25.4; 26.1-4; 33.20-24);

5 - A cidade será acessível a todos os povos da terra naqueles dias (Is 35.8,9), de modo que todos os que buscam o Rei encontrarão acolhida dentro de suas muralhas;

6 - Jerusalém será o centro da adoração na era milenar (Jr 30.16-21; 31.6,23; Zc 8.8,20-23).

A Palestina - Um conjunto de fatos essenciais a respeito da terra prometida é apresentado nos profetas.

1 - A Palestina se tornará a herança perpétua de Israel (Ez 36.8,12; 47.22,23; Zc 8.12). Isso é crucial para o cumprimento das alianças de Israel;

2 - A terra será ampliada, em comparação com a área anterior (Is 26.15; 33.17; Ob 17-21; Mq 7.14);

3 - Em vez do terreno montanhoso que hoje caracteriza a Palestina existirá uma grande e fértil planície na segunda vinda do Messias (Zc 14.4), de modo que a Palestina será “bela e sobranceira” (Sl 48.2). Essa nova topografia permite que o rio ao fluir de Jerusalém alcance os dois mares e possa regar a terra (Ez 47.1-12).

RELAÇÃO ENTRE OS SANTOS VIVOS E RESSURRETOS NO MILÊNIO
Há uma confusão geral mesmo entre os pré-milenistas, com respeito ao relacionamento durante o Milênio entre:

1 - Os santos ressurretos da era da Igreja;

2 - Os santos ressurretos do Antigo Testamento e, os santos vivos dentre judeus e gentios.

Não há nenhuma descrição quanto às posições que esses vários grupos ocupariam, seus âmbitos de atividades, suas relações com o governo de Cristo, com a terra ou de uns com os outros. Reconhece-se que a Igreja reinará como noiva de Cristo. Há concordância que: Os santos do Antigo Testamento serão recompensados nessa época. Os judeus salvos, considerados justos no julgamento de Israel, junto com os gentios salvos, declarados justos no julgamento dos gentios na segunda vinda, serão súditos do Rei no Milênio.

Mesmo assim a tarefa é difícil, pois o problema não é conciliar as diferentes opiniões dos pré-milenistas, mas demonstrar esse ensinamento nas Escrituras. Alguns preferem silenciar, mas outros usam esse argumento: “se Jesus após ressuscitar andou livremente e sem dificuldade entre os discípulos, da mesma forma, no milênio os ressurretos poderão se misturar sem dificuldades aos que permaneceram vivos”.

O FIM DO MILÊNIO
No fim do milênio haverá uma rebelião liderada por Satanás contra Cristo e seu reino, como predito pelo profeta: “E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, e sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para ajuntá-las em batalha. E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre” (Ap 20.7-10).

CONCLUSÃO
Com o estabelecimento do Reino de Cristo na terra por mil anos, Deus cumpre o propósito de demonstrar Seu governo na esfera onde sua autoridade foi desafiada. Fundindo a teocracia terrena com o reino eterno, a sabedoria eterna de Deus é estabelecida. Esse era o propósito de Deus ao planejar o reino teocrático e desenvolvê-lo por sucessivos estágios ao longo da história até que ele alcance o clímax no plano da teocracia sob o Cristo entronizado no milênio. Essa autoridade que Satanás desafiou, Cristo demonstra pertencer a Deus. O direito de Deus de governar é eternamente vindicado.


 J. DIAS

 FONTES:

Fundamentos da Teologia Pentecostal – Guy P. Duffield - Nathaniel M. Van Cleave - Editora Quadrangular.

Manual de Escatologia – J. Dwight Pentecost - Editora Vida.

O Plano de Deus e o Arrebatamento – Enéas Tognini - Editora Candeia.

Módulo de Teologia FTB – Editora Betesda.

Módulo de Teologia do ICQ – Editora Quadrangular.
www.santovivo.net

 FALE CONOSCO/PERGUNTA BÍBLICA